Gastroenterologia

Homeopatia

Gineco e Obstetrícia

Interesse Geral

Dietas e Orientações

Parceiros

Banner

Desenvolvimento

Banner
PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 


As funções do aparelho digestivo são:
-Processamento eficiente dos nutrientes e fluidos
-Absorção dos nutrientes necessários ao corpo
-Eliminação dos resíduos inutilizados
O alimento ingerido passa pela luz do trato gastrintestinal circula durante todo o processo da digestão e absorção dentro do tubo, e a porção não absorvível é eliminada como fezes.
O sistema nervoso ,juntamente com alguns hormônios, regulam o funcionamento do aparelho digestivo e o sistema circulatório nutre os órgãos da digestão e permite o transporte dos nutrientes absorvidos.
A digestão é a transformação dos alimentos numa forma que possa ser utilizada pelo organismo em que as grandes moléculas de alimentos tornam-se pequenas moléculas de nutrientes que serão absorvidas e utilizadas.
Cada parte do trato gastrintestinal tem uma função específica.

 

BOCA

A boca (cavidade oral) é a porta de entrada do tubo digestivo.É onde o alimento é triturado através da mastigação, misturando-se com a saliva,que é produzida pelas glândulas salivares,para formar o bolo alimentar.

Os dentes são os órgãos da mastigação, elaborados para cortar,rasgar e triturar o alimento para que este possa misturar-se com a saliva .

As principais glândulas salivares são :parótidas,submaxilares e sublinguais.Além dessas há muitas glândulas bucais pequenas.A secreção diária de saliva varia entre 1000 a 1500 ml.A saliva contém enzimas,imunoglobulina A,bicarbonato, A,compostos contra os agentes patogênicos bucais.Existem 2 tipos de secreção:a serosa contendo ptialina,que é uma enzima para digerir amido,e a mucosa,para fins de lubrificação.A saliva tem ph entre 6,0 e 7,0,faixa favorável para a ação digestiva da ptialina.Sua produção é estimulada por impulsos nervosos e são excitados tanto por estímulos gustativos como táteis da língua e outros locais da boca e também pode ser estimulada ou inibida por impulsos que chegam ao sistema nervoso central,como no caso de um alimento que lhe é agradável,quando a salivação é muito maior.A salivação também ocorre quando são deglutidos alimentos muito irritantes por resposta a reflexos originados no estômago.

A língua é um músculo.É importante no paladar,na mastigação,na deglutição e na fala.É onde se localizam os botões gustativos ,encontrados nas papilas,que são responsáveis pelo reconhecimento das 4 sensações gustativas primárias(salgado,doce,ácido e amargo)e suas combinações.


FARINGE, ESÔFAGO E DEGLUTIÇÃO

A faringe se localiza atrás das cavidades nasal e oral,e da laringe.Tem aproxi-
madamente 12 cm de comprimento e se continua com o esôfago. Atua como
um canal comum para a deglutição e para a respiração.Tanto as vias seguidas pelo bolo alimentar como as seguidas pela corrente aérea se cruzam na faringe.
É dividida em: nasofaringe, que é componente funcional do sistema respiratório;
orofaringe, que se comunica com a cavidade oral e a laringofaringe, que se continua com o esôfago.

O esôfago é um tubo com aproximadamente 25cm,que se estende desde a faringe até o estômago .Situa-se atrás da traquéia e do coração. Serve principalmente como um tubo de condução. Ele é um músculo, com diâmetro de cerca de 1cm na porção superior e 2 a 3cm na porção inferior. É muito distensível e acomoda quase tudo que possa ser deglutido, como uma dentadura, por exemplo. É dividido em esôfago cervical ,torácico e abdominal, conforme  sua localização.

A deglutição é um mecanismo complicado, pois na maior parte das vezes a faringe está exercendo várias outras funções e só por vários segundos é que apresenta a função de tubo para propulsão do alimento, sendo que a respiração não pode estar comprometida durante a deglutição. É dividida em 3 fases: fase oral(da boca à orofaringe), que é voluntária e corresponde à compressão do bolo alimentar  pela língua contra o palato, empurrando-o até a orofaringe; fase faríngea, quando o bolo alimentar vai da orofaringe ao esôfago, sendo conduzido através da laringofaringe. A partir dessa etapa o processo de deglutição já é quase inteiramente automático e, em geral, não pode ser interrompido. Já é um movimento involuntário; fase esofágica, quando o bolo alimentar entra no esôfago através do esfíncter esofágico superior e é impulsionado até o estômago por movimentos denominados peristálticos, que são ondas primárias originadas na faringe ou secundárias, originadas no esôfago. À medida que a onda peristáltica esofagiana ocorre, todo o estômago e, em menor extensão, o duodeno, se relaxa à medida que a onda alcança a porção inferior do esôfago, onde está localizado o esfíncter esofágico inferior, na junção gastroesofágica a nível do diafragma, que normalmente encontra-se contraído durante o repouso alimentar para que uma zona de alta pressão atue como barreira para o refluxo do conteúdo gástrico.

 

ESTÔMAGO

O estômago é uma dilatação do tubo digestivo que se inicia após o esôfago. É um órgão móvel, facilmente dilatável, que não tem porção fixa, em forma de saco. É muito distensível, tendo a capacidade de 1 a 2 litros, podendo chegar até 4 litros. Quando vazio tem um volume de apenas 50 mililitros e geralmente assemelha-se à letra J.  Encontra-se na parte superior da cavidade abdominal, logo abaixo do diafragma. Tem diferentes setores (cárdia, fundo, corpo, antro e piloro) e 2 curvas principais (curvatura maior e menor).Termina numa região esfincteriana (piloro), que separa o estômago do duodeno.

Sua mucosa tem 2 tipos de glândulas gástricas: as pilóricas, que secretam muco ,pepsinogênio e gastrina ,e as fúndicas (ou oxínticas) que secretam ácido clorídrico, pepsinogênio , fator intrínseco e muco.

Exerce 3 funções básicas:
-motora: armazena e mistura os alimentos com o suco gástrico; regula os movimentos peristálticos e esvaziamento gástrico; reduz as partículas dos alimentos para menos de 1 mm
-endócrina: libera os hormônios gastrina e somastotatina
-secretora: secreta ácido clorídrico, pepsinogênio, muco, bicarbonato, fator intrínseco e água

A função secretora regula a secreção ácida através da reação de mensagens químicas, que estimulam ou inibem a secreção de ácido clorídrico; também secreta a pepsina,que age nas proteínas da dieta transformando-as em peptídeos. A secreção de muco tem a finalidade de proteger a camada do estômago de ser autodigerida pela secreção péptica e o bicarbonato serve para neutralizar o íon H+ . As prostaglandinas também são secretadas e provavelmente desempenham um papel importante nos mecanismos de defesa e aumento do fluxo sanguíneo mucoso.

A secreção e motilidade gástrica são controladas pelo sistema nervoso central e por hormônios intrínsecos. A secreção varia nos diferentes momentos do dia, modificando-se com estímulos emocionais ou por estímulos relacionados como alimento.
A fase da secreção e da motilidade é que preparam o estômago para receber os alimentos. A visualização, o olfato, a audição de sua preparação ou a degustação fazem com que o estômago se prepare para receber o alimento.


INTESTINO DELGADO

O intestino delgado se inicia no piloro gastroduodenal e vai até a junção íleo-cólica, onde se une ao intestino grosso. É o segmento mais longo do aparelho digestivo .É um órgão tubular que  mede cerca de 6-7m e ocupa quase toda a cavidade abdominal. É muito bem adaptado para a realização de suas diferentes funções. É dividido em duodeno, jejuno e íleo. É um órgão indispensável, já que é onde o alimento é completamente digerido.

As funções do intestino delgado são: digestória, absortiva, imunológica e endócrina, além de atuar como membrana semipermeável entre os meios externo e interno.

Função Digestória: São liberadas inúmeras substâncias pelos diferentes tipos de células intestinais, além do duodeno receber as secreções biliares e pancreáticas  completando-se a digestão do alimento. Movimentos de mistura(contrações segmentares) promovem a mistura do quimo e íntimo contato com a mucosa intestinal e também propulsionam o bolo alimentar
Função Absortiva: O revestimento mucoso do intestino tem mais pregas e, com isso, aumenta a superfície de contato para as funções digestórias e absorção intestinal.
Função Imunológica: Células específicas sintetizam proteínas com ação bacteriológica
Função Endócrina: Células endócrinas secretam substâncias que atuam de diversas formas no trato gastrointestinal e outros sistemas

O duodeno mede aproximadamente 25cm e aspecto de forma de C. A 1a.porção recebe quimo ácido do estômago e é a parte livre e móvel do duodeno, sendo denominado bulbo duodenal. O conduto biliar e o conduto pancreático maior encontram-se num local denominado papila, na 2a.porção do duodeno, e é por onde desembocam as secreções pancreáticas e biliares, que completam a digestão dos alimentos, dando início, então, à absorção, quando ,então, o alimento é impulsionado para o jejuno .A 3a. e 4a. porção formam a parte inferior do C e frequentemente não há distinção entre elas.
O jejuno constitui os  dois quintos mais proximais da parte enovelada do intestino. Freqüentemente está vazio .O íleo, os três quintos mais distais. Muitas vezes  é difícil diferenciar as alças jejunais das ileais em uma cirurgia.

Após a absorção das moléculas digeridas, dos sais minerais e da água no intestino delgado, o material absorvido atinge as veias do sistema circulatório e é levado para outros locais do organismo onde é armazenado ou modificado quimicamente. A parte não digerida é impulsionada para o intestino grosso.

 

INTESTINO GROSSO

O intestino grosso origina-se do íleo a partir da válvula ileocecal.Tem diâmetro de aproximadamente 6 cm.Seu comprimento é de 1,5 a 1,8m.Consiste em ceco,apêndice, cólon (dividido em ascendente,transverso,descendente e sigmóide), reto e canal anal.
A maior parte do intestino grosso caracteriza-se por sáculos ou dilatações, denominadas haustrações.
O intestino grosso caracteriza-se por sua capacidade, distensibilidade, pelo tempo que retém seu conteúdo e pela disposição especial de sai musculatura. Possui considerável motilidade, especialmente no cólon transverso e no sigmóide.
Suas principais funções são: formação, transporte e evacuação das fezes. Essas funções requerem mobilidade, absorção da água e secreção de muco.
Formação das fezes: aproximadamente 500ml de quimo passam através da válvula ileocecal para o intestino grosso todos os dias, onde a maior parte da água e dos eletrólitos é absorvida. Somente cerca de 100ml de líquido é excretado nas fezes. Toda a absorção ocorre na metade proximal do cólon (cólon de absorção), enquanto o cólon distal funciona principalmente no armazenamento (cólon de armazenamento). As fezes se compõem de cerca de ¾ de água e ¼  de matéria sólida, sendo esta formada por cerca de 30% de bactérias mortas, 10-20% de material inorgânico,2-3% de proteínas e 30% de restos alimentares não digeridos e constituintes secos de sucos digestivos, tais como pigmento biliar e células epiteliais descamadas.
O muco, que é abundantemente secretado em resposta à irritação, protege a mucosa do cólon contra lesões diretas, dilui os irritantes e interfere ou impede a absorção de substâncias.
A consistência das fezes varia de acordo com a localização: ceco-líwuido;ascendente-semi-líquido;transverso-pastoso;descendente-semipastoso;sigmóide-sólido;reto-bem sólido.
 A coloração marrom deve-se à estercobilina e urobilina, derivados da bilirrubina. O odor é causado pelos produtos da ação bacteriana e dependem da flora bacteriana individual e do tipo de alimentação. As numerosas bactérias estão presentes no cólon de absorção e são capazes de digerir pequenas quantidades de celulose.
Transporte das fezes: os movimentos do intestino grosso são bastante diferentes dos do intestino delgado. Quando o alimento penetra no estômago a atividade aumenta no cólon. A atividade muscular do cólon consiste em movimentos de massa, rápidos e potentes, associados com a formação de haustros. Ocorrem principalmente no transverso, mas também no descendente e sigmóide, 2 a 3 vezes ao dia.o conteúdo é mantido no sigmóide.
Evacuação das fezes: a defecação resulta do reflexo da defecação. Quando as fezes entram no reto sinais são enviados para se iniciar ondas peristálticas reflexas do cólon descendente, sigmóide até o ânus, quando o esfíncter anal interno é inibido e o esfíncter anal externo se relaxa.


PÂNCREAS


O pâncreas é uma glândula mista (endócrina e exócrina). É um órgão mole e carnoso. Pesa aproximadamente 90g nos homens e 85g nas mulheres. É dividido em cabeça, corpo e cauda. É um órgão retroperitoneal. A cabeça está localizada na curva do duodeno e é coberta anteriormente pela parte pilórica do estômago e pela primeira porção do duodeno. O corpo e a cauda estendem-se para a esquerda, cruzando a coluna vertebral. O corpo tem a forma de prisma e a cauda entra em contato com o baço.

A porção endócrina da glândula é formada por pequenos grupos de células, as ilhotas pancreáticas (ilhotas de Langerhans) ,disseminadas em todo o pâncreas. Cada ilhota é ricamente irrigada por capilares nos quais as células beta lançam o hormônio insulina e as células alfa o hormônio glucagon. A insulina é uma pequena proteína que age no metabolismo dos carboidratos, aumentando a metabolização da glicose, diminuindo a concentração da glicose sanguínea e aumentando as reservas teciduais de glicogênio. Já o glucagon, que também é uma proteína muito pequena, provoca a glicogenólise hepática, que por sua vez aumenta a glicemia. A somatostatina, produzida pelas células delta, e o polipeptídeo pancreático, produzido pelas células PP, também são hormônios pancreáticos. A função endócrina pancreática representa 1 a 2% do total do órgão.

A porção exócrina ocupa a maior parte da glândula. É formada por lóbulos e ácinos. Estes sintetizam e armazenam o suco pancreático, excretado nos condutos excretores e posteriormente no duodeno.
O pâncreas secreta aproximadamente 1300 a 3000 ml por dia de um fluido alcalino com uma elevada concentração de bicarbonato, cloro, sódio ,potássio,etc., sendo sua principal função a neutralização do quimo ácido quando este penetra no duodeno.
 O suco pancreático contém enzimas para a digestão dos três tipos principais de alimento: proteínas, carboidratos e lipídios.
As enzimas proteolíticas são:
-tripsina e quimiotripsina: atuam sobre proteínas inteiras ou parcialmente digeridas;
-carboxipolipeptidase A e B: atuam em pequenos peptídeos
Essa enzimas, além da elastase e de algumas enzimas lipolíticas (fosfolipase A), são produzidas nos ácinos na forma de proenzimas (inativas) e necessitam ser ativadas no duodeno pela enterocinase para exercer ação sobre os alimentos.

-ribonuclease e dexoxirribonuclease: agem sobre o ácido ribonucléico e dexorribonucléico
-amilase pancreática: hidrolisa amido, glicogênio e muitos outros carboidratos (exceto celulose), para formar dissacarídeos
-lipase pancreática: hidrolisa gorduras neutras em glicerol e ácidos graxos
Essas enzimas são produzidas na forma ativa.

A secreção pancreática depende de dois estímulos:
-estímulo nervoso - mediado principalmente pelo nervo vago, sendo o suco pancreático dependente deste estímulo rico em enzimas
-estímulo humoral - depende  da liberação de hormônios intestinais secretina, liberado no duodeno e jejuno quando o bolo alimentar ácido chega do estômago, a colecistocinina(CCK), também sintetizado pelo duodeno e jejuno e estimulada sua liberação pelos produtos da digestão de gorduras e proteínas. A gastrina é liberada pelo antro gástrico e também estimula a secreção enzimática e hidroeletrolítica.

 

VESÍCULA E VIAS BILIARES

As vias biliares são divididas em intra e extra-hepáticas. As vias biliares intra-hepáticas localizam-se no interior do fígado e as extra-hepáticas são formadas pela vesícula biliar, ducto hepático direito e esquerdo, ducto hepático comum, ducto cístico e ducto colédoco.

A vesícula biliar é uma bolsa  com forma de pêra e situa-se numa fossa na borda inferior  do lóbulo direito do fígado. Atua como reservatório para a bile, armazenando entre 30 e 50ml de líquido. Seu tamanho é variável, com cerca de 9 cm.
Os ductos hepáticos direito e esquerdo emergem das metades correspondentes do fígado e se unem para formar o ducto hepático comum. O ducto cístico sai da vesícula biliar e se une ao ducto hepático comum, formando o ducto colédoco. A porção duodenal do ducto colédoco denomina-se esficter de Oddi. O ducto colédoco junta-se ao ducto pancreático principal na 2a.porção do duodeno, formando a ampola de Vater, que forma uma eminência denominada papila duodenal.
A bile é constituída de água, eletrólitos ,ácidos biliares, colesterol ,fosfolipídeos e bilirrubina ,sendo continuamente secretada pelos hepatócitos. Nas refeiçòes a vesícula se contrai, o esfíncter de Oddi se relaxa e a bile é liberada para dentro do duodeno. Cerca de 700 a 1.200ml de bile são secretadas diariamente. A bile não entra no intestino delgado até que um estímulo específico faça que a vesícula se contraia. Esse estímulo geralmente é iniciado pela presença de gordura no intestino delgado. A gordura extrai da mucosa intestinal a colecistocinina que vai para a vesícula pela corrente sanguínea, fazendo com que ela se contraia. Os sais biliares ajudam a emulsionar as gorduras no intestino de modo que elas possam ser digeridas pelas lípases intestinais e também ajudam a transportar as gorduras digeridas através da mucosa intestinal.

 

 


FÍGADO

O fígado é o maior órgão interno do corpo humano,pesando entre1.200 a 1.500 g, representando de 2 a 5% do peso corporal. É relativamente maior no lactente, principalmente devido ao grande volume do lobo esquerdo.
Está localizado no quadrante superior direito do abdome, protegido pelas costelas inferiores. Sua borda superior situa-se aproximadamente ao nível dos mamilos. Ele entra em contato direto com o diafragma. Apresenta dois lobos ( o direito com aproximadamente 6 vezes as dimensões do esquerdo) e 8 segmentos. Cada segmento possui suprimento sanguíneo e canais biliares independentes.
O fígado tem duplo suprimento sanguíneo: a veia porta recebe sangue venoso procedente dos intestinos e baço e a artéria hepática recebe sangue arterial.O sangue portal é responsável por 80% do suprimento hepático. A drenagem venosa é feita pelas veias hepáticas direita e esquerda.
O fígado é formado por hepatócitos organizados em estruturas tridimensionais chamadas lóbulos hepáticos, que é a unidade funcional básica do fígado. O fígado humano contém 50.000 a 100.000 lóbulos e os hepatócitos representam 60% do fígado. Esses lóbulos apresentam uma veia central onde é drenado o sangue aportado pela artéria hepática e a veia porta.Na sua periferia há um espaço porta contendo o ducto biliar,radícula da veia porta e ramo da artéria hepática.
Os sinusóides são a conseqüência da convergência dos ramos intra-hepáticos da artéria hepática e da veia porta.Existem grandes fenestrações nas paredes dos sinusóides hepáticos,que são altamente permeáveis.
Na microscopia eletrônica se vê o fígado humano como colunas de hepatócitos irradiando-se a partir de uma veia central, entrelaçadas de forma ordenada por sinusóides.Cerca de 1.000 ml de sangue por minuto fluem da veia porta através dos sinusóides hepáticos e 400ml flui da artéria hepática para os sinusóides.

A função hepática pode ser descrita pela somatória de ações que o órgão desempenha no metabolismo.O fígado é responsável por mais de 5.000 funções mantenedoras da vida. Participa das seguintes funções orgânicas:

-metabolismo de aminoácidos : no interior do fígado são oxidados os aminoácidos da dieta e o nitrogênio removido desses aminoácidos são excretados na urina sob a forma de uréia

-metabolismo de proteínas: a síntese protéica é realizada predominantemente no fígado.Cerca de 50g/dia são produzidas: albumina ,fibrinogênio, transferrina ceruloplasmina, haptoglobina ,lipoproteínas, alfa e beta-globulinas

-metabolismo dos carboidratos : conversão da galactose e frutose em glicose, armazenamento de glicogênio e gliconeogênese

-metabolismo das gorduras: degradação de ácidos graxos para compostos menores que podem ser utilizados na produção de energia; síntese de triglicérides ; síntese de outros lipídeos ,especialmente colesterol e fosfolipídeos

-armazenamento de vitaminas: a vitamina estocada em maior quantidade é a vitamina A, mas grandes quantidades da vitamina D e B12 também são normalmente armazenadas

-armazenamento de ferro: com exceção do ferro na hemoglobina, a maior parte do ferro no corpo é armazenado no fígado sob a forma de ferritina.

-síntese de fatores de sistema da hemostasia: fibrinogênio, protrombina, fatores V ,VII, IX e X ,proteínas C e S e plasminogênio

-depuração de fatores ativados dos sistemas da hemostasia

-metabolismo de drogas: numerosas drogas e outros compostos são metabolizados no fígado podendo ser excretadas pela urina ou pela bile

-síntese de sais biliares: importante na síntese de colesterol.Também tem ação detergente na formação de micelas, agindo na absorção intestinal de gorduras

-metabolismo de bilirrubinas: essencial na regulação  da síntese da heme ,constituinte dos citocromos e da hemoglobina

dra.Marilia Gaboardi
Membro Titular da Federação Brasileira de Gastroenterologia